Por aqui

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

AUSÊNCIA DE AFETO




Sabem a fome e a sede
sabem a solidão e a morte
do grito que há silêncio...





sabe o tempo 
que atravessa as vísceras
da manifestação do amor
que a tudo entremeia
e trespassa...



sabe de tudo que pulsa
o que morde
o que dói
o que arde...



sabe a agulha fina da existência
que ao levar a linha
singular da vida
pelas tramas delicadas dos dias
cose momentos únicos
que não retornarão...



e eu sei da ausência de afeto 
nos dias 
por isso dispenso o desvario.



Maria Lucia (Centelha Luminosa)