PARADOXO



 
 
A poesia anda a solta por aí
soltou-se do lápis
embrenhou-se por entre as ondas
sabendo bem desse viés subversivo.


 
Paradoxo!
Agora lhe dá licença,
a tela fria e impessoal
em clarão novo
quase urgência...


 
Perdura esse canto imenso
não declarado
mas sentido em epigramas solto
nesse sopro de vida, virtualizado!


 
Maria Lucia (Centelha Luminosa)






Comentários

  1. Minha linda Lulu!
    Tudo bem?

    Instigante este poema. Fiquei pensando a respeito da Poesia, dos sentimentos, da essência, essa tal da essência que se faz superior à ferramenta que outrora foi o papel, hoje a tela,... e tanto faz.

    A Poesia não escolhe os meios, se faz pelo caminho, sem rumo e nem fim.

    E o sentimento...
    esse sentimento poético, as linhas que nos traduzem, que nos fazem e refazem, serão elas a própria eternidade além tempo? Não tenho dúvidas disso.

    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  2. Ah minha amiga, escrevi coisas lindas aqui, envolvida pelos acordes desta linda música!!! Mas,
    não sei o que houve pois o comentário sumiu.
    Beijos querida e tudo de muito bom para vc.

    ResponderExcluir
  3. Oiii Lucia, adoro qdo vc passa por aqui e mesmo através da tela consigo sentir a energia das suas palavras! Uma ótima semana p ti amiga! Bjooss

    ResponderExcluir
  4. Olá Maria Lucia,
    Linda poesia, bom pra refletir no tema enquando a gente saboreia as palavras. Linda música. Abraços.

    ResponderExcluir
  5. A poesia está solta, e que assim fique desenhando belas paisagens. Meu beijo.

    ResponderExcluir
  6. Que belo momento de poesia, subtil, intenso e inspirado.
    Beijo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua presença e comentários
são PRECIOSOS pra mim!
Obrigada!

BJossss