Por aqui

sábado, 11 de agosto de 2012

Blogagem Coletiva Escritos Lisérgicos Vegetarianismo e Veganismo - Qual o seu conceito?

Blog do Christian V.Louis - Escritos Lisérgicos 

Agradeço ao querido amigo Christian V.Louis, pela oportunidade
que me dá em participar dessa Blogagem Coletiva, a qual me fez ir em busca de pesquisas sobre um assunto da qual, eu confesso, desconhecia um bom tantão, por não cogitar muito sobre o assunto...


No largo espaço que há entre o vegetarianismo e o veganismo, estão os que se alimentam de carne, e cabe aí também, o entendimento e o respeito que pode haver entre todos, principalmente no que se refere às preferências ou hábitos alimentares.

Certamente que em sociedade os cidadãos podem e devem levantar assuntos para debates, com argumentações embasadas em seus estudos e pesquisas em torno de suas idéias, objetivando  o bem coletivo e, também do meio ambiente e sua biodiversidade, e não somente a ideologia de grupos que se arvoram únicos detentores da verdade,   supras sumos da razão.

As razões de vegetarianos não ingerirem a carne, e a dos carnívoros preferirem uma picanha na brasa, pertencem a eles e é um direito que lhes confere  comer o que bem lhe pareça, em contrapartida, ao estilo de vida ou filosofia dos veganos, em defesa da vida dos animais, inclusive do homem, me parece lícita e louvável!

Contudo, é preciso lembrar que na Evolução humana o homem somente evoluiu para o Homo sapiens por se alimentar das vísceras dos animais.Estudos confirmam que o cérebro humano só se desenvolveu após o consumo da carne, graças a vitamina B12, apenas presente na carne animal e  nutrientes como a gordura, e aí então,  eu penso como seria o nosso cérebro se tivéssemos tido uma alimentação vegetariana, porque antes de aprender a caçar, o homem alimentava-se de vegetais. 

E os que se vangloriam de optarem pelo vegetarianismo,  defendendo com unhas e dentes, os  alfaces e tomates, e saboreiam a gelatina, que tem como ingrediente principal o colágeno da pele e dos tendões dos animais?
E a indústria do queijo que usa a pepsina, em alguns deles, adquirida do estômago dos animais em abates? 
Defendem-se gatos e cães abandonados e maltratados pelas ruas das cidades, enquanto lá nas cozinhas de suas casas, exala o cheiro de sangue frito de filés e bifes dos bois e das galinhas...

Posiciono-me totalmente contra toda e qualquer violência e  tortura seguida de morte aos animais. Creio, que em sã consciência, a maioria dos indivíduos repugna o morticínio de bois  ou de vacas, seja para cumprir sacrifícios religiosos ou diversões em circos e festas populares, mas, não serei ingênua em não observar que se trata de uma via de mão dupla, porque é considerado perfeitamente válido o abate cruel de suínos e perus, por ocasião das festas do Natal e Ano Novo.

Nem vegetariana, nem vegana, e nem totalmente carnívora, mas me posiciono pela reeducação alimentar, reduzindo consideravelmente a ingestão da carne, porque é o meu momento de repensar conceitos, sobre muitas coisas, dentre elas, o respeito que devo aos animais, sem demagogia, mas com consciência crítica. Não serei tão hipócrita em negar que o cheiro de uma carne na brasa, penetra pelas minhas narinas, salivando a minha boca, de forma quase animalizada, me fazendo esquecer por momentos o percurso que aquele filé fez, desde a origem até a minha panela. Minha constituição física até “ontem” estava subordinada à necessidade de valores protéicos que eu recebia da carne e não vou me converter ao vegetarianismo ou ao veganismo porque nunca cogitei dessas ideologias, mas nada me impede de aprender com seus princípios, os valores que eu julgar acertado e bom para meu equilíbrio e harmonia, orgânica e consciencial.

Comer ou não comer carne é uma questão de sobrevivência da raça humana, mas também é uma questão de respeito aos animais, e quem se posiciona na defesa do Amor e da Vida, é preciso repensar que se trata de todas as formas de vida no Planeta.

Por enquanto vai ser assim, até que não se modifique o paradigma alimentar vigente, quando a massa crítica da humanidade, tiver forças para reformular, modificar e transformar seus hábitos mais condizentes com as Leis Naturais da Vida, ainda tão ignoradas pelo Ser humano.

Maria Lucia (Centelha Luminosa)