RUA DA MINHA INFÂNCIA





Abro as portas da memória
pra desaguar. Dar vazão
às doces reminiscências
p’ra rua da minha infância
larga de sonhos e fantasias
cheia de minhas vivências.



A minha rua de hoje
não lembra aquela de ontem
não tem a alegria e nem a magia
de um tempo de pouca idade
quando ruas guardavam segredos
em total cumplicidade.



Não tem da mãe o olhar
que acompanha sempre a cria
atenta ao seu caminhar
não tem as ruas de hoje
as flores do Bem-me-quer
em sua existência simples
pétalas pra eu colher
atapetar as suas margens
retalhos de sol na ramagem.


Sem nenhum medo de rua
eu tinha encontros com a lua
quando a noite descia
crianças cantavam em roda
a ciranda da inocência
quanta alegria fluía!


O tempo que a tudo transforma
em sua passagem voraz
somente não foi capaz
de em minhas lembranças por um fim
a rua da minha infância
está tão próxima, tão inteira
e viva dentro de mim!


Maria Lucia (Centelha Luminosa)









Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Querida Lu!

    É sempre bom poder partilhar de suas inspirações aqui no seu recanto. E hoje em específico quando falas em uma rua de sua infância, também nos inflama um sentimento de nostalgia, realmente muito legal.

    Parabéns amiga e um grande beijo!

    Anselmo

    ResponderExcluir
  3. Olá Lú.

    Certamente, a Rua de nossa infância, guardava poesias e encantos que o tempo consumiu. Hoje, ainda que a mesma, perdeu a essência, soterrada sob a pressa e os desatinos hodiernos.

    Obrigado por suas palavras lá no Blog. Os desafios da vida são a Colheita dos erros do passado, na retificação do presente, para o florir do futuro. Viver é buscar aprender com a lição de cada dia, conscientes de que nada acontece por acaso.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  4. Olá!Bom dia!
    Amiga!
    Tudo bem?
    Lindos versos..que me faz lembrar, relembrar, escorrer uma lágrima de saudade...
    ... éramos livres, descontraídos, um dia na casa do vizinho,outro na rua, dos amigos, naquela correria geral em que a "MODERNIDADE" ficaria maluca de tanta falta de protocolo e liberdade... e tanta simplicidade.
    Tudo sabiam de nossas vidas e nossos gostos.Mas, não pelo nosso PERFIL das Redes Sociais...
    Casas sem muros e sem portões.Sem as Câmeras de seguranças e alarme.Somente uma cerca de arame,diferente dos Arames Elétrico de hoje...
    Descalços...jogávamos bola na rua...
    Pouco asfalto,e quando tinha,não eram ESBURACADAS, bastante terra...
    ah..tinha briga sim...quando alguém xingava o outro, tudo se resolvia, sem a necessidade de Tribunais, Ongs, para dizer o que podia ou não podia FALAR ou FAZER. Era uma turma de amigos, que cresciam juntos, estudavam juntos, durante a semana, de pais pobres ou ricos...
    Sobre minha infância iria escrever, mais um pouco... numa próxima vez...agora, estou morrendo de sono, porque a violência, a insegurança e o medo...dos tempos de hoje... não me deixa dormir...
    Obrigado pelo carinho de sempre!
    Boa semana!
    Beijos
    vou...mas fico...

    ResponderExcluir
  5. Oi Lu,

    Eu não recebo em meu blog, suas atualizações. Por que será?

    Bjos.

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida.
    Poxa, me emocionei.
    Lindo demais seu texto.
    Me bateu uma nostalgia agora...
    Felizmente temos nossas memórias como "recipiente" para armazenar boas lembranças.

    BEijo!
    Cléo - Conheça o blog Vejo Por Aí...

    ResponderExcluir
  7. Boa noite minha querida,
    Lendo este lindo poema fez-me recordar os bons tempos.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Lu!!

    Voce com teu belo poema me remeteu a minha infancia...
    Indfancia de pés descalços mas repleto de amor..de familia unidade.. de brincadeiras improvisadas..
    Saudades..

    Bjinho com a admiração de sempre...

    ResponderExcluir
  9. Oiii amiga, que lindo, a rua da minha infância era uma rua sem saída, um beco onde eu tbém não tinha medo das noites, brincava até minha mãe cansar de me chamar rsrsr Bela participação! Bjoosss

    Estou retornando e trazendo um sorteio mineirinho lá no blog, passa lá p participar! Bjooossss

    ResponderExcluir
  10. A "rua da minha infância" foi o ninho das minhas memórias felizes de hoje! Infelizmente, nossas crianças não convivem com essa beleza... tudo é virtual!
    Bj. Célia.

    ResponderExcluir
  11. Também gostei de vir aqui apreciar este recanto.
    Um momento para que também possa refletir o quão gostoso era a minha rua de outrora.
    Além de evocar em mim esse sentimento, o poema é lindo.
    Um abraço amiga, e seja bem vinda.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  12. Minha querida

    O teu belo poema fez-me regressar à rua da minha infância, onde os sonhos eram suaves e onde as mãos eram afagos e a ternura inundava o olhar.
    Nesse tempo fomos rosas de Maio e o doce aroma de uma noite de Agosto...saudades.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  13. Oie doladinha lindissimo o texto!!!vim rapidex te ver ...e trazer essa frase que gostei muito !!Cada um recebe de acordo com o que dá. Se você der ódios e indiferenças, há de recebê-los de volta. Mas se der atenção e carinho, há de ver-se cercado de afeto e amor !!!Adorei e vc?????

    ResponderExcluir
  14. Parabéns pelo lindo blog! seja um parceiro e seguidor do blog semeador fiel http://semeadorfiel.blogspot.com.br/
    Que Deus continue lhe abençoando!

    ResponderExcluir
  15. Lulu, lindona!
    Belo poema!
    Fiquei pensando aqui e acabei fazendo uma analogia de "ruas da infância" com a memória, não só a memória e as lembranças apenas da infância e de seus bons momentos; mas como a memória é seletiva, pensei nas lembranças boas em qualquer idade, mas que nos fazem ser crianças novamente, em sentimentos bons e inocentes, na pureza e leveza do ser.

    Muito lindo, menina!
    Viajei aqui:)

    Beijos e nos vemos!

    ResponderExcluir
  16. Eu tive mais que uma rua em minha infância e delas, só as recordações, não passei mais por elas, nem sei como estão.
    Eu que agradeço pela sua excelente participação na Blogagem Coletiva, ela só se fez possível graças a você e aos demais participantes. Planejo outra em breve.
    Este seu texto bem se encaixa no tema da Blogagem Coletiva de hoje da Patricia do Café entre amigos...
    Boa noite Centelha sempre Luminosa!

    ResponderExcluir
  17. Lu querida,

    Tudo bem? a minha infância foi muito tranquila, pois vivi na mesma rua, com os mesmos amigos e aprendi o valor de ser um bom vizinho.

    O texto está como sempre perfeito!

    Te deixo o meu beijo acalantador e de grande admiração.

    Fica com Deus menina linda!

    Lu

    ResponderExcluir
  18. Este viajar no tempo e guardar no pensamento as reminiscências que nos acompanham ao longo da vida.
    Li, reflecti e voltei a uma infância há muito fugida, mas que não larga as memórias do tempo.
    Adorei.

    ResponderExcluir
  19. Oi Lu, querida!

    Passei pra saber se havia novo texto seu, visto não receber atualizaçoes de seu blog.
    Só agora reparei, como tu estás bonita e sensual, na foto, que emcima teu poema. Parece que está vendo o mundo, que é talvez a rua da tua infância, através de um vidro translúcido. Está vistosa e com imaginação Aliás, você sabe que tem presença e que se impõe física e mentalmente.
    Há homens, infelizmente, que não tem olhos na cara. DEU PRA ENTENDER?

    Beijos de muto afeto e apreço da Luz.

    ResponderExcluir
  20. Oi Lu,

    Que texto lindo e emocionante, voltei no tempo...

    Bjos

    ResponderExcluir
  21. Tenho muita saudade do que eu chamo de "primeira fase" da minha infância, dantes da minha mãe se ir.
    Seu poema me emocionou muito, Lu.
    Gosto muito de poesia, até arrisco uns versos, rs.
    Esse poema sobre Infância é lindíssimo! A rua da minha infância ainda existe, mas, o resto não...

    um beijo!

    ResponderExcluir
  22. Boa Lúcia!

    Tudo bem?

    Parabéns pelo poema, é lindo.

    Um beijinho,

    Cris Henriques

    http://oqueomeucoracaodiz.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Minha Cara amiga! As vezes não sei porque, não gostamos de nos mostrar saudosistas, mas a verdade que o ser humano é ligado pelo seu cordão umbilical ao passado. Não há como resistir, nem colocar uma camisa de força na memória ao ler estas reminiscências que você coloca em sua tela.Um vídeo-tape correu em minha imaginação transportando-me a uma rua pacata do interior onde meus sonhos de adolescente começavam a brotar.Havia uma árvore onde eu com mãos tremulas desenhei um coração e ao centro dele escrevi: Zoraide & Mario. Amiga graças a seu poema eu fiz uma viagem a uma época das mais felizes do meu passado sem gastar um centavo e revivi como foi lindo o primeiro amor que tive. Bom fim de semana! Saudações Poéticas - Mario Neves.

    ResponderExcluir
  24. Olá, fiquei emocionada com seus versos! É uma pena que nossos filhos já não usufruem das ruas como nós, a confiança não é a mesma e as prioridades são outras.
    Lindíssimo. E me perdoe pela demora em visitar seu espaço, amei.

    Bjinhus e até a próxima =)

    palavrasdevalquiria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  25. Olá Lú,
    Que belas palavras hein?
    Sabe ao ler fui arremessado para as minhas lembranças também. Lembranças da rua onde morava, onde as crianças podiam brincar sem perigo, jogar bola, empinar pipa, soltar um peão, pique-esconde, etc. Um tempo de certa forma inocente mas que dá muita saudade e seus escritos proporcionaram essas sensações novamente. Muito legal.

    Obs: Enfim chegaram as férias tão desejadas e aproveito para avisar que ficarei afastado da blogosfera durante este
    período. Pois moro onde todos os familiares passam as férias. Um grande abraço, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  26. Maria Lucia, bom dia!
    Sua linda, maravilhosa e genial poesia, exaltou em mim a nostalgia de tempos remotos avivando belos e saudosos momentos da minha infância. Ah!... Que saudade da rua da minha infância... Quanta saudade!... Se pudesse voltar? Ah, se eu pudesse...
    Lendo e ouvindo esse bandolim maravilhoso ao fundo, você me levou às lágrimas, creia-me! Mas, ao mesmo tempo, me deixou muito contente por ter trazido recordações de tempos felizes...
    Um grande beijo e parabéns por sua sensibilidade, criatividade e desenvoltura para escrever coisas tão belas...

    ResponderExcluir
  27. Lindo poema achei maravilhoso :) parabéns minha linda é lindo de mais.. beijos

    ResponderExcluir
  28. Olá, Maria Lucia.
    Belo texto o seu; acho que não importa a nossa idade, sempre veremos nossa infância com nostalgia e saudade, acho que porque, para nós, aquela era uma época em que enxergávamos as coisas com mais pureza e simplicidade, algo que se perde na idade adulta.
    E certamente as brincadeiras eram mais saudáveis naquele tempo, hoje em dia muitas crianças só querem saber de videogame, infelizmente.
    Abraço, Maria Lucia.

    ResponderExcluir
  29. Oi amiga, obrigado pela visita ao meu
    blog, é uma honra recebê-la. Volte
    sempre que puder. Vim conhecer seu
    blog e adorei, já estou te seguindo.
    Voltarei em breve para ler e comentar
    seus textos. Abraços do amigo Bicho do Mato.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Sua presença e comentários
são PRECIOSOS pra mim!
Obrigada!

BJossss