domingo, 4 de junho de 2017

ORGIA


Quero-te renascendo
na alvorada dos meus braços
como quem cinge a vida
tangível ao toque dos dedos
como quem expulsa a míngua
da boca molhada sobre a minha...


devora-me de fome e consagras a língua
esfaimado apetite compartilhado
a beira da ninfa


mas será ante a vindima de promessas
do meu corpo, que te quero
a desbravar uma vez mais os meus limites
possuindo-me, dessa vez, por inteira
ave migratória que encontrou o pouso...


para que o vinhedo celebre a orgia
quero-te ébrio de mim e de magia
para prosseguir sem arrefecer o gozo...


Maria Lucia (Centelha Luminosa)