quarta-feira, 24 de maio de 2017

DEDICATÓRIA


Chegava apressado
sorriso solto, o peito arfava
trazia nas mãos voejos de amor
a desenhar os meus contornos
traçando os rumos certos
para o prazer
de depois



havia tanta sede
nos gestos apressados ao desnudar
a nós dois, muita fome por saborear
a maçã, mas degustava primeiro
o meu batom ao gosto bom
da hortelã...



fosse tema
para novos versos
nossa história teria somente
uma dedicatória: para alguém
por quem vivo a esperar
a volta!


Maria Lucia (Centelha Luminosa)