terça-feira, 7 de junho de 2016

TEU UNIVERSO, POETA






Que fazer se 
o meu olhar te furta a poesia
que flui de teu reverso quando
escreves para o mundo
e em tuas letras
plena me reconheço?



vem serena
ora abrupta
abrolhar ondas...



se faz mar
solitária navegante
pra travessia oceânica
em minha alma telúrica...



e a vertigem
me toma nesse instante...



luz nenhuma houvesse
em teu poema
meu sorriso errante
se iluminaria de teu universo
de poeta...



ao declamar
se faz vindima de céu azul e brisa
e a minha boca
se locupleta!


Maria Lucia (Centelha Luminosa)