quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Filha do Tempo























Instante que passa sem desvio
fluir incessante 
tem certa a direção
polvilha de anos a minha face
dos sulcos a escorrer tinta reciclada
que tinge a vida salva por um fio...

                             O Tempo passa e respinga o imponderável

na transitoriedade 
deixa o gosto e o desgosto
plana sobre o mundo e faz memória
marca da ampulheta na História
que pode ou não pode 
ser contada

                             De tempo e de espaço eu sou feita

de beijos ardentes no leito dos milênios
se não me conheço ainda
é que na indagação eu permaneço

                     
                            Decidi seguir com o tempo
sem contar meus anos porque sou filha
desse Tempo sem idade
sob  a luz serpentina de uma vela
desafio o instante que já é passado

                            de um Tempo que em cada coisa se revela...



Maria Lucia  (Centelha Luminosa)



Votos de um Feliz Ano Novo pra todos nós!

Que venha 


Que venha um Novo Tempo
de Amor, Saúde, Prosperidade!