sábado, 14 de julho de 2012

TEM QUE MEXER...



"Ler é,  na sua essência, olhar uma coisa e ver outra"
(Vilson J. Leffa)

“Ler, para alguns autores, é extrair o significado do texto”. Para outros é atribuir um significado.
(desconheço a autoria)


Após o evento da intensa e fantástica Blogagem Coletiva, com o tema "Espiritualidade", desacreditada por alguns, rejeitada por outros, mas com a feliz adesão e crédito pela maioria de quem gosta de compartilhar pensamentos, tenho observado o quanto o Ser humano é  generoso e possuidor de uma "bagagem" interna de emotividade e sentimentos ricos desabrochados, através dos textos em que comentam, e se expressam, pelo "toque" de compreensão que tiveram, com gentileza e amabilidade até mesmo, com ideologias com as quais não tem afinidades.

Percebi o quanto falar, refletir, e expor vivências ou não, com a religiosidade, "mexe" com a alma, com o mundo das idéias de forma sensível e apaixonada...

Observei também, pelos comentários dos amigos ao meu poema "Rua da Minha Infância", ao qual escrevi envolvida em sentimentos indescritíveis, a gama imensa de emotividades, evidenciada nos comentários dos que tiveram a sensibilidade “mexida”, retornando a própria rua de sua infância,  pelas minhas reminiscências...

 A minha observação,porém, não se restringe apenas aos comentários aqui no "Sementes...". Por todos os blogs que tenho visitado, percebo em alguns comentários que leio por lá, sinceridade e um bom tanto de emotividade.

Alguns poderiam agora, questionar sobre como posso afiançar assim tão categoricamente essa "sinceridade e emotividade”, se tenho ao meu dispor apenas algumas palavras digitadas...E, a esses, eu digo que se trata da minha percepção, experiência em Enxergar  mais do que apenas ver e ler, e "sentir"cada palavra escrita, o que certamente não irei aqui dissertar para não fugir ao foco, pois, esse campo das percepções, seria tema para uma outra postagem...

Entretanto, é possível afirmar aos que argumentam sobre como saber sobre isso ou aquilo em comentários postados, que ao observador atento, não é difícil verificar os traços de personalidade caracterizados pela forma costumeira de expormos nossos pensamentos através dos nossos escritos, e de como reagimos diante dos demais que comentam na blogosfera, ou seja, muitos de nós nos damos a conhecer a intimidade dos sentimentos e pensamentos, mesmo sem o desejar, e sem que essa postura seja racional...

Observa-se, que a blogosfera tem se mostrado um espaço que favorece a ampliação da compreensão de nós mesmos, porque antes de emitirmos uma opinião, buscamos em nós o "modelo pessoal de aferição", pelos meandros dos nossos conteúdos mentais, para a análise do texto que lemos. Entretanto, não apenas a nossa mente racional participa de nossa opinião, muitos de nós, permitimos que se rompa a barreira que separa o racional do emocional, para "sentir" verdadeiramente o que o texto em questão, sinaliza, e poder expressar assim,  o valor da sua influência sobre o nosso mundo íntimo, no que diz respeito a mantê-lo afinado ou desafinado com a proposta do texto que nos é apresentado, o que me leva à compreensão de que ler significa muito mais que interagir com o texto, mas senti-lo verdadeiramente.

Mas, quantos de nós, nos permitimos uma intimidade com o pensamento do autor ou da autora de uma crônica, ao  nos propor reflexões, ou um "navegar" pelas águas da emoção de uma poesia, mesmo uma simples frase que "mexe" de alguma maneira com nossos conteúdos cognitivos e emocionais?
Afinal, o leitor que busca  um blog, precisa além da visita habitual, ter a intenção de ler...


Como  experiência pessoal, cito as crônicas incríveis de uma amiga, graciosa cronista, blogueira muito querida da nossa blogosfera, a quem admiro, e a qual não posso citar o nome, por não ter pedido autorização prévia para citá-la, mas tanto ela, quanto os que a lêem, saberão de quem se trata, e a quem já tive a oportunidade de dizer em comentários por lá, que o conteúdo de seus textos, tem o poder de "desacomodar" algumas "coisas" acomodadas em mim, para depois ajustá-las novamente, levada que sou a penetrar no "espírito" do tema proposto, proporcionando-me  “navegar” em introspecção saudável.


Escrever, para muitos se faz uma necessidade vital, de urgência, para outros, é manifestação que faz crescer o interesse que haja reflexão contida  no texto  postado. Cada texto ou poema novo, é semelhante a uma criança que nasce trazendo algo diferente ao mundo, com a intenção implícita de "mexer", sacudir, despertar... 
Grandes idéias surgiram em textos simples, inteligíveis para todos, que não exige esforço intelectual por parte de quem os lê, e muitos deles, com a capacidade de renovar conteúdos internos de aflição e desânimo; de fazer arejar o quarto escuro das velhas idéias; de influenciar beneficamente, mas sem a pretensão de induzir leitores a crer que o escritor tem o privilégio de reter toda  a verdade

Que possamos, sim, mexer com nossos leitores,de forma instigante e alegre, criando vínculos de amizade e aprendizagem mútua, mesmo através das diferenças que nos caracterizam, em prol de um mesmo objetivo : continuar escrevendo e blogando!

Maria Lucia (Centelha Luminosa)